International Luxemburgist Forum - Foro Luxemburguista Internacional - Forum Luxemburgiste Intl

Forum for those in general agreement with the ideas of Rosa Luxemburg.
Foro para aquellos que tienen un acuerdo general con las ideas de Rosa Luxemburgo.
Forum pour ceux qui ont un accord général avec les idées de Rosa Luxembourg.

Translations

Similar topics

    Log in

    I forgot my password

    Navigation

    Latest topics

    » Bibliothèque numérique du marxisme
    Thu Nov 09, 2017 3:51 am by Atreides

    » reunion publique du CCI en novembre 2017
    Wed Nov 01, 2017 8:10 am by rubion

    » SOBRE LO QUE OCURREEN CATALUNYA
    Mon Oct 16, 2017 10:51 am by francisc

    » Critique Sociale
    Thu Sep 07, 2017 2:32 am by Atreides

    » Macron : un nouveau patron au service du vieux capitalisme
    Mon Jun 19, 2017 1:05 am by Atreides

    » ODA A LA POBREZA
    Sat Jun 03, 2017 11:15 am by francisc

    » EN CONTRA EL YIHADISMO...
    Thu May 04, 2017 10:54 am by francisc

    » Por lo Público, por lo Común
    Sun Apr 02, 2017 11:28 am by luxemburguista

    » 1º de Mayo: Recuperemos Derechos y Libertades
    Sun Apr 02, 2017 11:24 am by luxemburguista

    Who is online?

    In total there are 7 users online :: 0 Registered, 0 Hidden and 7 Guests

    None


    [ View the whole list ]


    Most users ever online was 368 on Sun Feb 19, 2012 3:15 am

    Statistics

    Our users have posted a total of 4412 messages in 1418 subjects

    We have 194 registered users

    The newest registered user is ZiggyT


      Revista O Comuneiro

      Share
      avatar
      luxemburguista
      Admin

      Number of posts : 1109
      Group : Alternativa Roja y Verde - Los Alternativos
      Website : http://altermundialistas.wordpress.com/
      Registration date : 2008-04-16

      Revista O Comuneiro

      Post  luxemburguista on Mon Oct 03, 2011 7:40 am

      http://www.ocomuneiro.com/

      Em Wall Street as expectativas crescem. Há fusões de grandes conglomerados e mais despedimentos massivos em perspectiva. As armadilhas da liquidez. Grandes aluviões de dinheiro – fictício, esbulhado, prometido - cachoam enlouquecidos, como manadas de bisontes em pânico. Flexibilidade, polivalência, just in time. Os ritmos aceleram para os sobreviventes da empregabilidade. Os nervos crispam-se no esforço. A TV vomita as suas obscenidades quotidianas. A terra está seca. Os peitos das mães acusam silenciosamente. Torrentes de humanidade “excedentária” afluem continuamente às megapólis de lata. As chuvas são ácidas. O barril do ‘brent’ está cotado em alta. Erguem-se novamente as cabeleiras rubras da guerra. De todos os cantos do mundo se levanta um mesmo clamor de revolta.

      ‘O Comuneiro’ pretende ser, dentro do mundo da língua portuguesa, um pequeno laboratório de pesquisa na busca de um propósito articulado nesta revolta. Para isso, serve-se dos instrumentos da crítica ao universo do capital forjados há cento e cinquenta anos e temperados desde então em milhões de lutas, grandes e pequenas, certas e equivocadas. Trabalho necessário, mais-valia, D-M-D’. Como do sangue, suor e fezes das grandes multidões laboriosas se foram amassando as riquezas acumuladas nas mãos dos poucos, reproduzindo-se o ciclo incessantemente com uma regularidade cega e brutal. Até que a rotativa da valorização entra em panne mortal. O velho red doctor, nas insónias do Soho, viu tão bem e tão longe que só hoje começamos a compreendê-lo verdadeiramente. Ou só hoje as duras esquinas do real parecem obstinar-se a preencher e cumprir fielmente os seus conceitos.

      Que um outro mundo é possível, ninguém o duvida. Menos que todos os ideólogos estipendiados para o negar, que são as únicas vozes autorizadas no novo Leviatã totalitário da “globalização”. Mas os futuros possíveis arrancam do que é presente, do que se compreende a si próprio como movimento e razão. O nosso desígnio é pois tornar esse movimento e essa razão presentes a si próprios. Para que, de entre os miasmas em decomposição do mundo mercantil (e seu bailado de fetiches), se ergam as novas vozes prontas a reclamar e fazer sua a própria vida. Em comum. Saltando as cercas. Rasgando a mãos juntas os velhos protocolos da exclusão e do enclausuramento proprietário.
      SALUD


        Current date/time is Fri Nov 24, 2017 4:53 pm